13/05/2017

[Sabado] A geração hip-hop cresce ao som dos GROGNation

Estivemos com o colectivo de Mem Martins, Sintra, no estúdio onde o grupo gravou o primeiro álbum, Nada é por Acaso
A primeira coisa em que reparamos quando entramos no estúdio do colectivo português de hip-hop GROGNation, em Mem Martins, Sintra - mais tarde, talvez mais prosaicamente, chamar-lhe-ão "quartel-general" -, é um quadro com uma lista de músicas do primeiro álbum do grupo, Nada É Por Acaso - lançado a 30 de Abril.
"A primeira vez que vimos isso foi com os Orelha Negra", contam, acrescentando que eles "tinham uma lista de músicas e depois algo como: o Francisco Rebelo já tocou baixo neste tema".

O quadro demorou dois anos a preencher. Juntos desde 2011 - pela proximidade geográfica, amizade e um gosto pelo rap - os cinco GROGNation (Harold Rafael, de 25 anos, Tiago "Prizko" Ribeiro, de 26, André "Neck" Janeiro, de 23, António "Nasty Factor" Silva, de 24, e Rui Pereira, aka Papillon, de 26) acharam que esta era a altura para dar este passo.

"Podíamos ter feito o álbum mais cedo, mas decidimos fazê-lo quando nos sentíssemos preparados", explica Factor. Neck corrobora: "Para nós, isto é um álbum. Os outros projectos foram quase só uma preparação." Essa preparação, contudo, foi criando expectativa para aquele que Neck diz ser "o primeiro projecto a sério" do grupo. 

Pela multitude dos temas que abordam (o amor, as dificuldades por que passaram e a masculinidade - o novo tema, Lágrimas, por exemplo, parece evocar a recente deambulação do rapper americano J Cole sobre o que é ser um "real nigga" em 4 Your Eyez Only) e da sonoridade das batidas (ora mais clássicas, ora mais electrónicas - ou "fresh", nas palavras deles), foram recebendo elogios de alguns dos principais protagonistas do hip-hop nacional, como NBC, Sir Scratch, Bob da Rage Sense, Valete e Sam the Kid. Vários, aliás, já colaboraram com o grupo de Mem Martins, e Sam the Kid volta a fazê-lo neste álbum, cedendo a parte instrumental de Circo, uma das 17 faixas do disco.

Depois desse percurso inicial, que os levou, por exemplo, a actuarem no festival MEO Sudoeste e a serem encarados como promessas, os GROGNation dão mais um importante passo com um álbum ecléctico, onde apenas dois instrumentais foram feitos em casa (por Factor, que além de rapper é produtor).

Os restantes, tão diferentes quanto os seus autores (o que torna a sonoridade dos temas muito distinta, viajando do R&B ao boom-bap, soul, afro-beat e electrónica - mais fragmentada, por exemplo em Amar para Esquecer, e mais explosiva, como em Vou na Mesma e Barman), foram trazidos por alguns dos produtores mais conceituados do género em Portugal, como Sam the Kid, DJ Ride, Lhast, Holly e Cálculo.

É por cima desses instrumentais que os cinco rimam - sobre "1001 temas", nas palavras de Harold. E se as egotrips não dominam, também há espaço para a afirmação: Harold canta que vieram "para ser lendas", Papillon que "isto é o creme do creme (...) do mais real que há desde o Valete, do Xeg e do Sam". Na nova geração hip-hop, os GROGNation lutam pelo pelotão da frente. 

Sem comentários:

Enviar um comentário